Blog

A Lenda do Galo e da Galinha

A Lenda do Galo e da Galinha

A “Lenda do Galo” é uma das principais lendas jacobeias e encontra-se associada aos itinerários principais de Peregrinação percorridos há vários séculos rumo a Santiago, nomeadamente nas cidades de Santo Domingo de la Calzada (no Caminho Francês) e Barcelos (no Caminho Português de Santiago). Salienta-se, contudo, a dimensão europeia desta Lenda, com paralelismo em várias regiões da Europa tal como Toulouse (França), Utrecht (Holanda), Winnenden (Alemanha), entre outras.

A Lenda do Galo (e da Galinha) reúne dois milagres muito difundidos pelos Peregrinos na Europa durante a Idade Média: a história do enforcado salvo por Santiago (consta do Codex Calixtinus do século XII, que a situa como passada em Toulouse em 1090, com um peregrino alemão) e a do galo assado que se levanta para cantar.

Versão do Codex Calixtinus exposto no Museu da Catedral de Santo Domingo de la Calzada

O Peregrino que percorre o Caminho Francês, ao passar pela cidade de Santo Domingo de la Calzada, percorre um dos territórios associados à Lenda do Galo (e da Galinha). Tal como Barcelos está intrinsecamente associada ao Caminho de Santiago, Santo Domingo de la Calzada está conectada à Peregrinação Jacobeia desde a sua fundação. Salienta-se que, durante o corrente ano de 2019, comemora-se o Año Jubilar Calceatense (1019-2019): milénio do nascimento de Santo Domingo de la Calzada.

A Catedral de Santo Domingo de la Calzada é única na sua relação com a Lenda do Galo pois possui, um “Gallinero” (aliás, é a única Catedral que tem animais vivos no seu interior). Em memória desta Lenda, mantém-se na Catedral um galo e uma galinha vivos e de penas brancas. Por cima do “Gallinero”, que se construiu em 1445, conserva-se um pedaço de madeira da forca do Peregrino. Entrar na Catedral e ouvir o galo cantar é, salienta-se, sinal de “sorte” e de que a Peregrinação será bem sucedida.

O "Gallinero" e o pedaço de madeira da forca do Peregrino expostos na Catedral de Santo Domingo de la Calzada

Diz a "Lenda do Galo e da Galinha" que, entre os muitos Peregrinos que rumavam a Compostela e que subiam à cidade de Santo Domingo da Calçada para venerar as relíquias do Santo, chegou um casal com o seu filho de dezoito anos chamado Hugonell, de Xanten (Alemanha). A rapariga da pensão onde ficaram hospedados apaixonou-se pelo jovem mas, perante a indiferença do rapaz que peregrinava em castidade, decidiu vingar-se: colocou uma taça de prata na bagagem do rapaz e, quando os peregrinos seguiram o seu Caminho, denunciou o “roubo” ao Corregedor da cidade. As leis, à data, puniam com pena de morte o delito do roubo de prata pelo que, após ser preso e julgado, o Peregrino inocente foi enforcado. Contudo, quando os pais foram recolher o corpo do filho enforcado, assustaram-se ao ouvir a voz do filho a anunciar que Santo Domingo da Calçada lhe tinha conservado a vida (noutras versões da Lenda terá sido Santiago a conservar a vida). Foram imediatamente a casa do Corregedor e contaram-lhe o sucedido; ele, obviamente incrédulo, discordou deles e disse até que “o seu filho estava tão vivo como o galo e a galinha que se preparava para comer assados no forno.” Nesse instante, o galo e a galinha saltaram do prato e puseram-se a cantar. Desde então diz-se: “Santo Domingo da Calçada que fez cantar a galinha depois de assada”.

O Galo e a Galinha no "Gallinero" da Catedral de Santo Domingo de la Calzada.

Barcelos e Santo Domingo de la Calzada são, desta forma, duas passagens obrigatórias rumo a Santiago!


×